Vivemos a chamada geração digital. As crianças e adolescentes de hoje são “nativos digitais”, fazendo uso, cada vez mais cedo, de celulares, tablets, aplicativos, internet e videogames. No Brasil, cerca de 80% das crianças e adolescentes, de 9 a 17 anos, são usuárias de internet, segundo a pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da internet (CGI). Sabemos que o uso dessas tecnologias traz benefícios e prejuízos, portanto esse contato deve ser foco de atenção constante entre as famílias. O papel dos pais é o de serem mediadores dessa relação dos filhos com a tecnologia.

Alguns estudos científicos comprovam que a tecnologia e o mundo digital influenciam comportamentos e modificam hábitos desde a infância, podendo causar prejuízos à saúde. A utilização precoce e durante longos períodos de tempos de jogos, vídeos e filmes online, redes sociais ou diversos aplicativos na internet podem causar dificuldade de socialização e conexão com outras pessoas. Quando se desenvolve uma relação de dependência ou se faz um uso exagerado da tecnologia, podem ocorrer problemas mais graves como aumento da ansiedade, ciberbullying, transtornos do sono e alimentação, queda no rendimento escolar, violência, além de problemas visuais, posturais e lesões.

Alguns cuidados podem e devem ser tomados pare evitar problemas futuros:
· Procure estabelecer limites de horários e mediar o uso das tecnologias. Equilibrar as horas online com atividades esportivas, brincadeiras, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza.

· Para crianças entre 2 a 5 anos de idade, é importante limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de 1 hora por dia. Crianças entre 0 a 10 anos não devem fazer uso de televisão ou computador nos seus próprios quartos (orientações da a Sociedade Brasileira de Pediatria).

· Monitore os sites, aplicativos e vídeos que estão sendo acessados, principalmente as redes sociais.

· Deixe os computadores e os dispositivos móveis sempre em locais ao alcance dos adultos responsáveis.

· Procure escolher programas educativos ou jogos que estimulem a interação, criatividade e o cognitivo. Lembre-se de ler as instruções dos jogos e verificar qual a classificação de idade para os jogos e sites. Brinque junto com seu filho e faça desse momento algo prazeroso para vocês!

· Converse sobre a importância de desconectar, do diálogo, da convivência e o quão são prazerosos os momentos reais.

· Lembre-se que as crianças aprendem pelo exemplo! Não adianta reclamar ou proibir o uso da tecnologia se os adultos fazem, eles próprios, uso exagerado/inadequado dessa mesma tecnologia.

Camila Miranda 
Psicóloga – CRP 03/2138

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *